Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Aos nossos amigos e visitantes

Blog direccionado para a recolha de Fotos, Trabalhos, Documentos, Vídeos etc. sobre " O Passado, Presente e Futuro do Peso" . Procuramos dentro do possível, transmitir o que de mais relevante se passa no Peso e ser um elo de ligação entre os residentes e ausentes. Colabora e envia o que tiveres de interesse sobre o Peso e suas Gentes Agradecimentos - Pela colaboração na cedência de fotos e outros trabalhos às seguintes Pessoas : Rui Morão,José Batista Vaz Pereira, Família de José Pereira Santos, Tó Aníbal, José Batista, Família de João Abrantes Ferraz, Família de José Pires Simões, Vicente Olímpio dos Santos, Família de Manuel Afonso Oliveira, Yoann Manuel Pereira, Maria Pires Serralheiro, António Madeira Varandas, Maria Leonor Ferreira Pires Morão, Ramiro Morais Valentim, Francisco Madeira (Lisboa), Família de Carmelina Ferreira Morão, Patrocínia Proença, João Abrantes dos Santos, Joaquim dos Santos, Joaquim Proença Rebelo, José Mateus Casteleiro, Júlio Mendes Silva ( Morador ao pé do Santuário), Elvira Morais, Artur do Santos Pereira (Ourém), Maria Casteleiro, Maria \"Caraia \", Beatriz Pires, João Mateus Casteleiro, Carlos Casteleiro ( França ), Família de José Guilherme, Humberto Morão (Covilhã), Margarida Maria (Covilhã), Belarmino Batista ( Canadá ), Ângelo Agostinho, Margarida Pires, José dos Santos Vaz, Família de João Sardinha ( sacristão), António Mingote, Mariazinha Lobo, António Pinto ( França ), António Proença ( Barreiro), Álvaro Olímpio, Fernando Morais Valentim ( França ), Sofia Bento ( França ), Família de José Alfredo Aleixo, José Honório Rodrigues, Família de Joaquim Abrantes Ferraz, Rui Machado (Pesenses no Brasil ), Rosa "Cortiça" ( França ) .Se eventualmente omitimos alguma pessoa pedimos desculpa pelo facto e agradeço informação. José P. Santos O nosso Email - aldeiadopeso@sapo.pt A nossa recomendação: Qualquer reprodução dos seus conteúdos deve ser sempre feita com referência à sua autoria.

Memorial ao Sargento José Paulo dos Santos

por José P. Santos, em 29.12.16

103 -03.png

José Paulo dos Santos

Nasceu na Aldeia do Peso - Covilhã em 7.11.1930  e faleceu em Angola em 16.4.1963 

a7ce544f4d66036c29c805c5a309fb24.jpg

1961. José Paulo dos Santos, foi um dos prisioneiros da União Indiana quando em 1961 esse País tomou o território de Goa, Damão e Diu, que estava sob o domínio português desde o século XV.

img_818x455$2012_06_26_18_20_00_100129.jpg

1963 • JOSÉ PAULO DOS SANTOS, 2º Sargento de Infantaria da Companhia de Caçadores nº 165, Grau de Cavaleiro com palma, atribuída a título póstumo. Faleceu em combate em 16 de Abril de 1963. Teatro de operações: Angola.

transferir.jpgimages.jpg

11018823_10203086103783509_1657540693132614991_n.j

file31.jpeg

2_CCac165_Paulo-dos-Santos_16Abr63.jpg

TESTEMUNHO

0_CCac167_CCac165.jpg

José Paulo dos Santos com a familia ( Pais e Irmãos )

10426527_10203032260997473_12397576666645090_n.jpg

Pais e Irmãos de José Paulo dos Santos

file22.jpeg

José Paulo dos Santos com familiares

( Esqerda para direita Manuel, Padre António, Irmão Tó, José Paulo e João P. Santos

file18.jpeg

José Paulo das Santos com amigos de infância no Peso

file15.jpeg

Lisboa - A Rua Sargento José Paulo dos Santos e a Guerra Colonial

sargento-jose-paulo-dos-santos.jpg

Após o eclodir da guerra colonial em Angola, em Fevereiro de 1961, as atribuições toponímicas da cidade de Lisboa nessa década passaram também a consagrar os militares mortos «ao serviço da pátria», na zona norte dos Olivais, enquanto na zona sul dos Olivais se fixavam os nomes de povoações da Guiné, de Angola e de Moçambique.

E, é neste contexto que o Sargento José Paulo dos Santos, como refere a legenda «Morto em Angola ao Serviço da Pátria – 1963» passou a dar o seu nome à Rua G da Zona dos Olivais Norte, pelo Edital de 26/11/1964, que também fixou o Furriel João Nunes Redondo, na Rua F do mesmo local com a legenda «Morto na Guiné ao serviço da Pátria – 1963».

 

img_818x455$2012_01_05_17_11_00_288270.jpg

 

Em Nova Caipemba, a jogar futebol com os meus companheiros

Nem sonhava ser mobilizado, visto que fui para a tropa em 1959 e até já estava em casa a gozar a licença quando fui chamado, em 1961, para ir para a guerra em Angola, que entretanto tinha rebentado. Deixei cá a família preocupada e a namorada. Ela tinha 16 anos quando começámos a namorar, mas é uma brava mulher... esperou por mim e ainda hoje continuamos casados. Já lá vão 47 anos. Embarquei a 28 de Junho de 1961 e cheguei a Luanda a 7 de Julho. Na verdade, quando lá chegámos, a primeira impressão até foi boa. Desfilámos na marginal e ouvia-se muita gente a saudar as forças militares portuguesas. Depois, consoante fomos para o interior, as reacções dos colonos não foram assim tão boas... chegou mesmo a haver escaramuças com civis, pois alguns achavam que era por causa dos ‘piolhos verdes’ – os portugueses – que a guerra estava a acontecer. Passei pelo Grafanil e depois segui para o mato. Estive na zona de Ambriz, Zala, Nambuangongo, sempre com a missão de patrulhar e defender o mais possível as posições portuguesas. Arriscava-se muito. Como era condutor, deixava os camaradas na mata e depois ia por picadas buscá-los ao outro lado. Eram oito a nove horas de viagem para os condutores, sozinhos. Muitas vezes havia escaramuças pelo caminho. Mas, na altura, era tão magrinho que costumava dizer que os terroristas eram incapazes de me acertar. Cometemos alguns actos de loucura (não de heroísmo!). Da primeira vez que fui atacado, saltei do jipe com a arma na mão e, em vez de me esconder, subi para cima do capot para disparar e ver se via o inimigo. Só dei um tiro, pois a arma encravou logo de seguida. Mas tal como ainda costumo dizer, tinha a minha avó a proteger-me lá em cima... MORTE BRUTAL Aí nessa mesma zona, vi morrer o sargento José Paulo dos Santos, que se atirou para cima de uma granada para salvar a vida dos homens que estavam sob o seu comando. No dia anterior à sua morte, tinha-lhe perguntado como era combater na Índia, pois acabara de chegar de lá. E ele respondeu-me que não sabia comparar, pois ali, em Angola, nunca tinha entrado em combate. E logo a seguir perdeu a vida. Os nossos postos de vigia eram altos, montados sobre colunas para estarmos ao abrigo do fogo raso. Havia lá um negro em quem tínhamos confiança, mas que começou a ir a todos os postos ver o que lá se passava. Desconfiámos e fizemo-lo prisioneiro. Depois viemos a descobrir que ele pertencia aos terroristas: recolhia as balas para lhes dar. Conseguiu libertar-se das cordas e fugir e quando já íamos no seu encalço, apareceram outros para o salvar... Houve também um rapaz que teve de ser evacuado porque enlouqueceu: tinha visto um camarada a ser assado no espeto como um animal na aldeia do inimigo. Tinham sido emboscados. Esse rapaz tinha conseguido fugir, mas perdeu o tino. Em Angola não se sofreu só com a guerra. Quase não tínhamos o que comer e, carne, só se a fossemos caçar. A única coisa que havia eram cabeças de porco já com o bicho da vareja. Lembro-me também duma vez em que dei com uns piolhos enormes a subirem pelas minhas pernas. É claro que nos divertíamos. Em Nova Caipemba, apareceu, uma vez, uma banda para tocar para os soldados e eu acabei por subir ao palco. Quando dei conta até já tinha acompanhamento de guitarra e bateria. Jogávamos também à bola ou à batota. Na verdade, tenho boas memórias e saudades de algumas coisas, por exemplo as mangas, abacaxis e bananas, tão doces...

PERFIL Nome: João Quintão Comissão: Angola (1961-1963) Força: Companhia 165 Batalhão 158 Actualidade: 73 anos, reformado, vive nas Mercês, Rio de Mouro, Sintra 

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/mais-cm/domingo/detalhe/nao-sofriamos-apenas-com-a-guerra

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:33




Pode ligar e desligar o som


Mais sobre mim

foto do autor


Colaboradores do Blog

Clique na imagem dos colaboradores

José Batista Vaz Pereira

Belarmino Batista José Santos Baptista

Vídeos




calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Posts mais comentados