Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Aos nossos amigos e visitantes

Blog direccionado para a recolha de Fotos, Trabalhos, Documentos, Vídeos etc. sobre " O Passado, Presente e Futuro do Peso" . Procuramos dentro do possível, transmitir o que de mais relevante se passa no Peso e ser um elo de ligação entre os residentes e ausentes. Colabora e envia o que tiveres de interesse sobre o Peso e suas Gentes Agradecimentos - Pela colaboração na cedência de fotos e outros trabalhos às seguintes Pessoas : Rui Morão,José Batista Vaz Pereira, Família de José Pereira Santos, Tó Aníbal, José Batista, Família de João Abrantes Ferraz, Família de José Pires Simões, Vicente Olímpio dos Santos, Família de Manuel Afonso Oliveira, Yoann Manuel Pereira, Maria Pires Serralheiro, António Madeira Varandas, Maria Leonor Ferreira Pires Morão, Ramiro Morais Valentim, Francisco Madeira (Lisboa), Família de Carmelina Ferreira Morão, Patrocínia Proença, João Abrantes dos Santos, Joaquim dos Santos, Joaquim Proença Rebelo, José Mateus Casteleiro, Júlio Mendes Silva ( Morador ao pé do Santuário), Elvira Morais, Artur do Santos Pereira (Ourém), Maria Casteleiro, Maria \"Caraia \", Beatriz Pires, João Mateus Casteleiro, Carlos Casteleiro ( França ), Família de José Guilherme, Humberto Morão (Covilhã), Margarida Maria (Covilhã), Belarmino Batista ( Canadá ), Ângelo Agostinho, Margarida Pires, José dos Santos Vaz, Família de João Sardinha ( sacristão), António Mingote, Mariazinha Lobo, António Pinto ( França ), António Proença ( Barreiro), Álvaro Olímpio, Fernando Morais Valentim ( França ), Sofia Bento ( França ), Família de José Alfredo Aleixo, José Honório Rodrigues, Família de Joaquim Abrantes Ferraz, Rui Machado (Pesenses no Brasil ), Rosa "Cortiça" ( França ) .Se eventualmente omitimos alguma pessoa pedimos desculpa pelo facto e agradeço informação. José P. Santos O nosso Email - aldeiadopeso@sapo.pt A nossa recomendação: Qualquer reprodução dos seus conteúdos deve ser sempre feita com referência à sua autoria.

Na Terra dos Medos

por José P. Santos, em 28.10.16

14292423_1518590498166403_5024148464581799297_n.jp

NA TERRA DOS MEDOS
Historia verídica passada na aldeia do Peso no ano de 1949

Naqueles tempos recuados em que não havia luz, água ao domicilio e o mais pequeno rumorejo à noite, fazia os homens arfar de medo.

Por isso, não era estranho aparecerem alguns ditos espertos …

O ano foi de uma grande seca, no verão faltava a água no Ribeiro do Braçal e havia o cultivo do milho e feijão frade, cuja rega era feita por dias da semana acordada pelos vizinhos, conforme o tamanho da parcela do terreno.

Parecia tudo correr normal até que um dia começou a sentir-se ao cair da noite e pela noite dentro uns mugidos na aldeia do Peso que mais pareciam umas vaquinhas em aflição.
No Peso e até nalguns sítios, na Coutada, a partir dessas horas ninguém mais abria as janelas.
Até que um dia, vários caçadores locais munidos de caçadeiras e zagalotes foram de noite ver o que se passava.

Foram encontrar no Ribeiro do Braçal, numa casa de arrumos, propriedade de gentes da terra, a filha dos proprietários com a sua prima com uma fogueira acesa no interior da casa e por elas era puxada uma vara, numa espécie de reco-reco, feito de um alcatruz de barro, tendo no cimo uma pele e um buraco no topo, que puxando fazia soar pelo silêncio da noite.

E assim iam aproveitando, com uma lanterna para regar o milho, nos dias que os vizinhos, borrados de medo, não saiam de casa.

A partir desse dia, ninguém mais teve medo, segundo a crendice popular até o lobisomem deixou de aparecer pelo cheiro da pólvora.

2016/09/12
José Batista Vaz Pereira

 

NA TERRA DOS MEDOS II - A aldeia do Peso era uma terra aonde toda a gente se conhecia e respeitava. - Não havia em casa água, ,luz, telefone,rádio e a juventude tinha a sua própria imaginação.-. O seu ponto de encontro era no largo do chafariz das duas bicas, sentados num pequeno muro junto à casa do Manuel Morão. - Passava-se o tempo com pequenas coisas que para nós eram grandes coisas(...) um dia ouvimos pessoas a cantar vindo duma Eira das Portelas. Era uma desfolhada de milho, apareceu o milho rei fez-se ouvir mais barulho, um realejo a tocar e acompanhado em canto t " Sachadeiras do meu milho/ sachai o meu milho bem,/ não olheis para o caminho/ que a merenda logo vem (...). Todos embevecidos de ouvido à escuta. Nisto apareceu o Américo Madeira que vinha da sua barbearia. Trazia com ele toalhas brancas e uma bata. Logo alguém dos presentes disse: Eu vou a minha casa trago lençóis brancos e vamos aparecer vestidos de branco quando acabar a Desfolhada. -A ideia ganhou força e fomos junto à Padaria dos Irmãos Pires e tiramos duas tábuas velhas que havia ali em monte para aquecer o forno de cozer o pão. Com elas fizemos uma cruz nos braços desta colocámos toalhas brancas e quem levava a cruz vestido com a bata, os restantes embrulhados nos lençóis com se fossem ( penitentes ). Já tudo pronto seguimos para o quintal do Ti Zé Guerra que ficava fronteiro às Portelas. Acabou a Desfolhada e lá vamos nós e numa gritaria cavernosa e a dizer (...) afastai-vos...afastai-vos... afastai-vos. e com pilhas a dar focos de luz na cruz. ( isto em noite escura, sem luar ) Toda a " malta parou "", e apenas no silêncio se ouvia rezar por quem vinha da desfolhada. - Nós todos seguimos numa correria pela Rua da Ladeira até ao ponto de encontro, seguimos cada um para suas casas, com a promessa de nada se falar sobre o acontecido. No dia seguinte todo o Peso comentava diziam ter havido uma aparição de Almas Penadas, na grande maioria das pessoa que eram da desfolhada dormiram em casa do Ti Manuel Paulo ( Palito ) borradas de medo, a quem lhes perguntava o que tinha acontecido diziam que ouviam andai cá que vos desgraço (...) A Juventude desse tempo não era melhor ou pior que a de hoje... Apenas são tempos diferentes felizmente para melhor..

 

A TERRA DOS MEDOS III

Há momentos em que precisamos de nos afastar em certos momentos da vida.
Havia momentos de registos e vivências talvez surpreendentes, num vaivém entre o passado e o presente.
Corria o ano de 1956 e eu estava a cumprir o serviço militar obrigatório no extinto Batalhão de Caçadores n.º 2, aquartelado na cidade de Covilhã aonde hoje se encontra a UBI.
Nós militares quando vinha o fim de semana, o nosso caminho era o Peso ou os Vales. Eu tinha o namoro nos Vales nesse tempo anexado ao Peso.
O que vou contar foi precisamente quando vinha do namoro.
Entre os Vales e o Peso só existia uma pequena casa na tapada do Ti Manuel Guerra.
Eu saí dos Vales a pé por volta da meia-noite (noite sem lua).
Já perto do Cemitério que servia o Peso e os Vales apareceu-ma em frente um vulto negro e sentia bafejar em todo o descampado só se ouvia o latir dos cães.
Eu resoluto avancei para o vulto e este começou a correr na minha frente.
Na Tapada junto ao Cilindro tirei uma estaca numa horta ali existente, e obriguei o vulto a entrar no Peso e já junto ao chafariz das duas bicas ouvi gritos (credo aberram) e quem gritou fugiu para a Rua da Ladeira em correria, o Peso estava às escuras que a partir de certa hora a luz era desligada.
Nesse momento o vulto seguiu pela Rua Direita e eu parecia por encanto nunca o larguei, junto à Capela do Espírito Santo apareceu o Ti Zé Peixoto munido duma lanterna e me disse: - Olá Zé Vaz o que se passa ? Ouvi barulho e vim ver (...) É aquele vulto que ali vai. Ó homem aquilo é um burro da Ti Rosário Carrega, deixa os animais de noite junto às medas de palha no Penedo.
Logo se aprontou e fomos os dois levá-lo ao Penedo perto das duas horas.
Pelas 7 horas os militares juntavam-se para caminhar a pé até ao quartel.
Havia sempre a companhia dos camaradas de armas dos Vales (fomos sempre muito amigos, um abraço para vocês !) e caminhando por atalhos até ao Tortosendo apanhando a estrada até ao quartel.
Aquando na caminhada começou um soldado recruta a dizer: - Esta noite vi o mafarrico no Largo do Chafariz, era um enorme vulto negro que parecia uma torre. Vinha do namoro da Rua da Ladeira e como moro na Eira ia para casa.
Ao fugir dei cabo dum joelho, quando chegarmos ao quartel tenho que ir pela enfermaria a tratar da ferida.
Fiquei em silêncio e pensei ora aqui está a razão dos gritos.
Dizia: - Ainda tive de dormir na casa da namorada e só tive tempo de ir a casa fardar-me.
Aqui eu lhe disse (...) com um certo ar de divertido, pelo menos mudas-te as cuecas ? Amigo se ainda és vivo conta agora.
Mais uma vez senti, que o medo somos nós que o fazemos, porque o medo não existe.

2016/10/10
JBVP

 

A TERRA DOS MEDOS IV O meu pai o Ti Zé Vaz, era negociante de cereais comprava e vendia nos mercados de Covilhã, Fundão e outras Terras do Concelho da Covilhã. Tinha uma carroça para fazer o transporte das mercadorias, eu fui o único filho que trabalhou para ele até aos 23 anos, foi assim a minha vida e muito mal compreendida. Era necessário sair muito cedo para se chegar a tempo de abrir a Praça na Covilhã, muitas vezes com neve, chuva e vento de rajada tinha-mos de seguir. A estrada de Vales, Dominguiso, Tortosendo era de terra batida e cheia de buracos.. Havia nesse tempo no Peso muitos tecelões com tear manual. Dando assim trabalho familiar ao encher as canelas e dobar a lã e outros trabalhos ligados à tecelagem. Tinham de ir buscar a matéria prima ao Tortosendo ou Covilhã. E quando a iam devolver já em fazenda pediam ao meu pai se lhes levava os cortes da fazenda na carroça. Certo dia eram 4 horas e o Ti Zé Redondo e o Ti Zé Inocêncio ( Fatela ) esperavam na porta da Taberna eu ao sair para a rua fui bater no Ti Zé Redondo porque não havia luz na rua. disse-me ele? É moço ainda vens a dormir (... ) As ruas eram cobertas de matos para fazer estrume para as terras de cultivo. Os animais andavam à solta pelas ruas , cães, gatos, galinhas, porcos etc, e por vezes apareciam alguns animais selvagens, por exemplo o Lince, o Lobo, a Raposa etc, Quando o meu pai chegou com a carroça e tudo pronto seguimos a caminhada e junto à casa de granito do Ti Artur Morão apareceu o Ti Zé Roberto munido de um cajado e nos disse: É pessoal no meio das minhas cabras aqui na Rua Direita junto à Taberna do Ti Anibal Casteleira apareceu-me coisas estranhas que só pode ser obra do mafarrico, mas eu limpei tudo à cajadada. Seguimos o nosso caminho e no dia seguinte no Peso não se falava de mais nada, tinham morto umas tantas galinhas algumas tinham filhotes ( os pintos )da Ti Miquelina Pereira, porque estas tinham saído do poleiro da sua casa na Rua Direita no Peso..

 

NA TERRA DOS MEDOS V . - " O Homem só morre quando nós o esquecemos " (... ) Recordo com imensa saudade um Homem Bom, que conheci na aurora da minha juventude. esse Homem foi o Ti José Francisco ( Frade ). Que nas décadas de 40 e 50 do século passado ajudou muitas famílias carenciadas e numerosas ao dar-lhes trabalho na venda de peixe. Foi nessa altura o maior fornecedor de peixe no Concelho da Covilhã. abastecedor do mercado municipal do Tortosendo e ainda tinha várias peixeiras que vendiam porta a porta o célebre carapau do gato que hoje custa um dinheirão, a sardinha e ainda o chicharro três por vinte e cinco tostões., faziam tudo a pé pelas aldeias de Peso, Pesinho, Vales, Coutada, e outras. Que para darem que comer aos filhos / famílias numerosas ) muito sofreram, era gente simples mas muito honesta e, com muita dignidade, que apesar da crise por falta de trabalho, sempre foram pagar a mercearia que compravam fiado na Ti Ana Batista. ( foram tempos muito difíceis ). Esta gente levantava-se sempre muito cedo, para ir levantar à estação do caminho de ferro ao Tortosendo as caixas de peixe, que vinham diiariaamenente da Figueira da Foz .. Juntavam-se junto ao cemitério do Peso-Vales, em dias de frio acendiam fogueiras com ramos de oliveira, isto numa noite escura por volta das três horas da manhã apareceu junto deles/as um mocho ou coruja, conhecidas por aves de má agoiro. Ficaram borrados de medo, dizendo uns para os outros isto só pode ser Alma do outro Mundo. Nesta aldeia pacata a gente com dignidade também teve os seus medos. Recentemente com a vinda de dois extraterrestres numa casa assombrada lá para os lados da serra ao entraram pelo telhado e após coscuvilhar no meio da porcaria encontraram um quadro cheio de pó que se tornou enigmático para eles entraram em comparações um com o outro um dizia isto é do artista espanhol Pablo Picasso o outro dizia isto é do pintor catalão Jean Miró, já entrados na disputa diz um para o outro( ... ) " oh pá, vamos embora já... senão ainda dizem que fomos nós que pintámos o quadro. FIM.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:36




Mais sobre mim

foto do autor


Colaboradores do Blog

Clique na imagem dos colaboradores

José Batista Vaz Pereira

Belarmino Batista José Santos Baptista

Vídeos




calendário

Outubro 2016

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D