Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Aos nossos amigos e visitantes

Blog direccionado para a recolha de Fotos, Trabalhos, Documentos, Vídeos etc. sobre " O Passado, Presente e Futuro do Peso" . Procuramos dentro do possível, transmitir o que de mais relevante se passa no Peso e ser um elo de ligação entre os residentes e ausentes. Colabora e envia o que tiveres de interesse sobre o Peso e suas Gentes Agradecimentos - Pela colaboração na cedência de fotos e outros trabalhos às seguintes Pessoas : Rui Morão,José Batista Vaz Pereira, Família de José Pereira Santos, Tó Aníbal, José Batista, Família de João Abrantes Ferraz, Família de José Pires Simões, Vicente Olímpio dos Santos, Família de Manuel Afonso Oliveira, Yoann Manuel Pereira, Maria Pires Serralheiro, António Madeira Varandas, Maria Leonor Ferreira Pires Morão, Ramiro Morais Valentim, Francisco Madeira (Lisboa), Família de Carmelina Ferreira Morão, Patrocínia Proença, João Abrantes dos Santos, Joaquim dos Santos, Joaquim Proença Rebelo, José Mateus Casteleiro, Júlio Mendes Silva ( Morador ao pé do Santuário), Elvira Morais, Artur do Santos Pereira (Ourém), Maria Casteleiro, Maria \"Caraia \", Beatriz Pires, João Mateus Casteleiro, Carlos Casteleiro ( França ), Família de José Guilherme, Humberto Morão (Covilhã), Margarida Maria (Covilhã), Belarmino Batista ( Canadá ), Ângelo Agostinho, Margarida Pires, José dos Santos Vaz, Família de João Sardinha ( sacristão), António Mingote, Mariazinha Lobo, António Pinto ( França ), António Proença ( Barreiro), Álvaro Olímpio, Fernando Morais Valentim ( França ), Sofia Bento ( França ), Família de José Alfredo Aleixo, José Honório Rodrigues, Família de Joaquim Abrantes Ferraz, Rui Machado (Pesenses no Brasil ), Rosa "Cortiça" ( França ) .Se eventualmente omitimos alguma pessoa pedimos desculpa pelo facto e agradeço informação. José P. Santos O nosso Email - aldeiadopeso@sapo.pt A nossa recomendação: Qualquer reprodução dos seus conteúdos deve ser sempre feita com referência à sua autoria.

Provérbio e Ditos com mais de cem anos na tradição oral no Peso

por José P. Santos, em 28.10.16

006.jpg

13615343_1102743069772579_7846274099419483145_n.jp

 

ALGUNS PROVÉRBIO E DITOS COM MAIS DE CEM ANOS NA TRADIÇÃO ORAL NO PESO. - O cão e o menino, vão aonde sentem mimo ... O melhor dos dados é não os jogar ... O mundo nos vê e Deus nos conhece ... O que a natureza dá, a enxada o tira ... O boi em terra alheia, qualquer vaca o escorneia ... Não se levanta fumo sem haver labareda ... Não te enleves em vinha de ladeira, nem em mulher cantadeira ... Pingo de Igreja sempre goteja ... Peso e medida governa vida ... Sol coelheiro, água no outeiro ... Cão de três, não o vendas nem o dês, que ao fim dum ano saberás o que tens ... Serra e mar, sempre têm que dar ... Tristezas não pagam dívidas ... Em Fevereiro, deixa a fonte e vai ao ribeiro ... Em comprar e vender, todos somos irmãos ... Entre marido e mulher ninguém meta a sua colher ... Barriga vazia não tem alegria ... O bezerro manso, mama o seu e o alheio .... Faz bem não cates a quem ... Faz mal e guarda-te ... Presunção e água benta, cada qual toma a que quer ... Pintos de Janeiro vão com a mãe ao poleiro ... Mulher honrada não tem ouvidos ... Quem lhe doe o dente é que vai ao dentista ... Quem quer o que Deus quer, há-de ser o que Deus quiser ... O medo é que guarda a vinha ... Para quem meu filho é, minha nora basta ... Na terra aonde viveres, faz o que vires fazer ... Com migalhas ninguém engorda ... Mãos frias, coração quente ... Do que não há se escusa ... Primeiro comem os olhos do que a boca ... Paixões não pagam dívidas ... Quem meu filho beija, minha boca adoça. .... Entre irmãos ninguém meta as mãos ... Cuidam os namorados, que todos têm os olhos tapados ... Cada terra com seu uso, cada roca com seu fuso ... Quem não que saber, nada se lhe diz ... Preso por ter cão, e preso por não o ter ( ... ).

 

CONT... II ... PROVÉRBIOS COM MAIS DE CEM ANOS DA TRADIÇÃO ORAL DE PESO - COVILHÃ. Muita unha a pouca pena, depressa se depena. - Maio pardo e ventoso faz o ano formoso. - Mais vale comer na rua que morrer de fome em casa . - Ramos molhados, anos melhorados, - Bem parece fogaça alheia em mesa cheia. - Barriga de moço não tem osso. - Doente que espirra, fora do hospital! . - Dá Deus as nozes a quem não tem dentes, - Galinha e pirum, tudo é um, - Geada na lama, água cama . - Pobre e namoradeira, toda a vida solteira. - Para baixo, até o diabo ajuda. - Levantou-se o preguiçoso e puxou fogo á cama. - Lenha verde mal acende, quem muito dorme pouco aprende. - Tão bem se paga a quem bem fia, como a quem mal tece. - Costumou-se a velha aos bredos, lambe-lhe os dedos. - Conforme a nau, assim a tormenta. - Casa sem homem, nem a candeia dá luz. - Ano de ameixas, ano de queixas. - Amigos amigos, negócios há parte. - Amigo reconciliado, nunca dele bom bocado. - Flor ao peito, asno direito. - Quem tem medo, recolhe para casa cedo. - Quem tem medo compra um cão. - Quem ceia vinho, almoça água. - Encomendas sem dinheiro esquecem no caminho. - Casas comprá-las feitas. - Com homem perdido ninguém se meta. - Duma asneira nasce um cento. - Mondar a chover, dinheiro a perder. - Quem mais perto está do lume, mais depressa se aquece. - Quem diz o que quer, ouve o que não gosta. - Quem mal não usa, mal não cuida. - Quem tem quem o chore, todos os dias morre. - Para mal acompanhado, vale mais andar só...

 

CONT... III ... PROVÉRBIO E DITOS COM MAIS DE CEM ANOS NA TRADIÇÃO ORAL DE PESO... A escova da loja é a mão do caixeiro. - Enriquece quem Deus quer; quem trabalha tem que comer. - Quem tem pão e dinheiro, não lhe falta mancebo. - Quem tem padrinho, não morre mouro. - O futuro a Deus pertence. - O que não tem remédio, remediado está. - Cria fama e deita-te a dormir. - Não deixes o certo pelo duvidoso. - A má hora não ladram cães. - Janeiro fora, uma hora. - Em se dizendo: O cão vai danado todos lhe atiram. - Perdigão perdeu a pena, não há mal que não lhe venha. - O casamento e a mortalha, no céu se talha. - O pó de Maio é que cura as frieiras, - Quem grande cruz faz na massa, grande cruz passa. - Quem mal não usa, mal não cuida. - Tanto come quem tem, como deseja quem não tem. - Árvore ruim, não a queima a geada. - Em tempo de guerra não se limpam armas, - Quem não se contenta com o pouco, não se contenta com muito. - Quem vende fica vendido. - Quem muito se cura, pouco dura. - Conforme somos, assim julgamos. - Mais depressa se apanha um mentiroso do que um coxo. - A rico não devas e a pobre não prometas. - A brincar é que as coisas se dizem. - Arte e lenha vence a campanha. - De médico, poeta e louco, todos temos um pouco. - Jogo de três, o diabo o fez. - A ovelha despe-se para vestir o dono. - Para quem compra amanhece, para quem vende anoitece. - São pássaros de arribação, tão depressa estão como vão. -Um dado ruim duas mãos suja. - Onde há riqueza tudo é beleza. - O surdo faz falar o mudo. - Quem se queima alhos come...

 

CONT. IV ... PROVÉRBIOS E DITOS COM MAIS DE CEM ANOS NA TRADIÇÃO ORAL DE PESO... Há-de dizer a cota com a perdigota. - Não se poda a vide quando está na parra. - Por onde se peca por ai se paga. - De pequeno verás que filho terás. - Nem dormir com gatos, nem dar passos sem sapatos. - Por falta de um frade não irá a terra o convento. - Quando o ano é de leite até os chibos o dão. - Cada um em sua casa é rei. - Com os santos serás santo. - Chega-te aos bons serás um deles. - O coração não fala mas adivinha. - Vozes de burro não chegam ao céu. - Homem prevenido vale por dois. - Nem tudo ao mar, nem tudo á terra. - Um dia mal passado é. - Para velhaco, velhaco e meio. - Lua de Janeiro não tem parceiro. - Quem se obriga a amar, obriga-se a padecer. - Quem de empreitada deu, que culpa tenho eu. ? . - Quem se deserda antes que morra merece levar uma cachaporra. -. Homem pequenino, ou velhaco ou dançarino. - Homem alto, besta de pau. - Homem morto não fala. - Coisa boa é arroz doce. - Cartas são papéis, e letras são sinais. - Tudo quanto se faz se paga. - Todo o pássaro come trigo, só o pardal fica com a culpa. - De prato á boca se perde a sopa. - Á noite todos os gatos são pardos. - O que faz o ladrão é a ocasião. - a sardinha que o gato leva, guardada vai ela. Ninguém faça mal á espera que lhe venha bem... Recolha feita na Aldeia do Peso no ano de 1950, a pessoas já entradas na idade, isto foi quaser a medo , estavamos em plena ditadura e até as paredes tinham ouvidos, a Pide andava sempre por perto. FIM

 

PROVÉRBIOS E DITOS COM MAIS DE 100 ANOS NA TRADIÇÃO ORAL DO PESO ... Porque entram os cães nas igrejas? - Porque encontram a porta aberta! - Guarda que comer, não guardes que fazer - Guarda o que não presta, acharás o que precisas, - Vale mais deixar a maus, do que pedir a bons. - Ninho feito pêga ,morta.- Quem dá primeiro, dá duas vezes. - Quem a medo morre, a medo lhe fazem a cova. - Quem não tem arte e manha, morre no ar como a aranha. - Quem vai para o mar, avia-se em terra. - Quem parte velho paga novo. - Quem tem de morrer no palheiro não lhe erra a porta. - Quem não se aventurou, não perdeu nem ganhou. - Quem compra um burro e o vende, lá se entende. - Quem se ajusta pelo São Miguel, não sai de casa cada vez que quer. - Quem o sseu não vê, o diabo o leva. - Quem seu inimigo poupa, às mãos lhe vem morrer. - Quem corre de gosto, não cansa. - Quem não poupa réis, não ajunta mil réis. - Quem vai ao mar, perde o lugar. - Quem se deita sem ceia, toda a noite rabeia. - Quem tem fome fala em pão.- Deitar tarde e levantar cedo, cria carne e sebo. - Quem se deita tarde nem sebo nem carne. - O mundo é uma bola, tanto anda como desanda. - Você, é ( de ) estribaria. - Feliz ao jogo, infeliz nos amores. - Guardado está o bocado para quem o ha-de comer. - Coitado de quem morre, quem cá fica logo se governa. - Quem não tem dinheiro faz do cú um candeeiro. FIM

 

PROVÉRBIOS E DITOS COM MAIS DE 100 ANOS NA TRADIÇÃO ORAL DE PESO-COVILHÃ ... Guarda que comer, não guardes que fazer - Pão mole, depressa se engole - Dia de São Tiago, vai á vinha, acharás bago - Caroço de Agosto, dá gosto - Pela manhã é oiro, ao meio dia é prata, e á noite mata, ( a laranja ) - Maio é o mês que canta o cuco. - Primeiro dia de Agosto, primeiro dia de Inverno. - Quem compra e mente. na bolsa o sente - Em Fevereiro, vai acima ao outeiro, se vires verdejar, põe-te a chorar, se vires terrear, põe-te a cantar - Ele a dar-lhe e a burra a pender - Trindades na aldeia é hora de ceia, - O que não se faz em dia de Santa Maria, faz-se no outro dia. - O que se vê não precisa candeia - O que faz bem ao bófe, faz mal ao fígado. - O mal e o bem á face vem. - Meio dia barriga vazia, panela ao lume, é o nosso costume. - Não há fome que não venha a dar em fartura. - Uns morrem com gafeira, outros com inveja dela. - Águas passadas não moem moinhos. - Hoje por mim, amanhã por ti. - Fevereiro afoga a mãe no ribeiro. - Quem dá o que tem, a pedir ven. - A letra com sangue entra. - A mãe aguçosa faz a filha preguiçosa. - A necessidade é inimiga da virtude. - Ande o frio por onde andar, há-de vir no mês do Natal. - Boa casa. boa brasa- - Faca que não corta, que se perca pouco importa. -Galo pedrez, não o vendas nem o dês. -Nunca sirvas quem serviu, nem peças a quem pediu. ( ... )

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:37




Mais sobre mim

foto do autor


Colaboradores do Blog

Clique na imagem dos colaboradores

José Batista Vaz Pereira

Belarmino Batista José Santos Baptista

Vídeos




calendário

Outubro 2016

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

Pesquisar

Pesquisar no Blog  

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D